Olist promove pesquisa para entender o profissional com deficiência

Startup que contratou mais de 100 funcionários durante pandemia busca construir uma empresa mais inclusiva

A contratação de pessoas com deficiência ainda é um desafio enfrentado por diversas empresas, apesar dos números de mercado. De acordo com dados do IBGE de 2010, são mais de 45 milhões de pessoas com deficiência no Brasil. Além disso, hoje são mais de 12 milhões de desempregados no país. Pensando nisso, o Olist , startup que ajuda quem quer vender a encontrar quem quer comprar, acaba de lançar uma pesquisa para entender com mais profundidade quais são as experiências e expectativas de PcDs no mercado de trabalho.

"Quais dificuldades você já enfrentou, enfrenta ou imagina que poderá enfrentar em um novo local de trabalho? Qual é sua expectativa relacionada a um novo local de trabalho? Você tem preferência pelo trabalho home office?", são algumas das perguntas abordadas na pesquisa. Para Monica Calliari, Coordenadora de R&S do Olist, o objetivo das empresas não pode ser única e exclusivamente cumprir a meta imposta pela legislação. "A inclusão de PcDs precisa se tornar um compromisso das empresas, precisamos contratar essas pessoas não só por ser a coisa certa a se fazer, mas por representarem uma importante força de trabalho", comenta.

Reconhecida por prezar por seus funcionários e estimular ações de engajamento, a startup agora busca melhorar ainda mais a área de RH e construir uma empresa mais inclusiva. Para isso, o Olist conta com dois comitês construídos por colaboradores voluntários. O Comitê de Clima e Cultura, em que os participantes têm acesso aos resultados da pesquisa de eNPS para planejar ações internas focadas nos valores da companhia, incluindo ações de cunho social. E o Comitê de Diversidade, responsável por construir um ambiente cada vez mais seguro, inclusivo e com respeito às diferenças.

"A pesquisa é só o pontapé inicial de um grande plano de inclusão da empresa, um projeto construído por várias mãos e que busca trazer resultados a longo prazo", afirma Rhayana Souza, Analista de Endomarketing e Employer Branding do Olist e integrante dos comitês.

Para quem é PcD, a empresa auxilia na emissão do laudo médico, caso a pessoa não tenha, e ainda oferece possibilidade de trabalho remoto a nível nacional. Segundo Rhayana, uma empresa que valoriza as pessoas é uma ideia aplicada desde o primeiro dia do Olist pelo CEO e fundador, Tiago Dalvi, que apoia o projeto junto com a liderança da empresa.

Pessoas com deficiência podem se candidatar às vagas do Olist pelo link pesquisa: http://lnkd.in/deXszax